coach

_ Vamos lá!, disse a moça.

_ A Silvia do passado, a Silvia do momento presente e a Silvia que vamos ‘montar’ para o futuro.
_ Sim, respondi. A Silvia sou eu e eu estou na sua frente. Logo, podemos evitar a terceira pessoa do singular, certo?

Ela diz que é importante que eu me enxergue como se eu fosse um quebra-cabeças que será remontado e vem com as perguntas:
_ O que é que Silvia quer, o que Silvia deseja, e o que Silvia precisa fazer para traçar este novo caminho?
Por que é que você está falando na terceira pessoa do singular se eu estou aqui, na sua frente?

_ Isso te incomoda? _ Bastante. _ Interessante. _ Vamos aplicar uns testes para descobrir se você é do tipo colérica, sanguínea, fleumática ou melancólica.

_ Já ouvi esse papo antes. Sou colérica.

A moça começa a fazer perguntas do tipo “Quando você pensa em realização profissional – por exemplo – qual a primeira palavra que lhe vem à mente?”. “Quando você chega numa festa, você cumprimenta as pessoas que conhece ou espera que elas venham até você?”

Respondo, na terceira pessoa: Silvia quer fumar um cigarro. É possível?

_ Está ansiosa. É natural!, diz a moça, com um sorriso otimista no rosto.  _ Através de técnicas de PNL, meditação, reiki, constelação familiar, Kabbalah, trabalhos com argila e ayurveda [ os doshas vata, pitta e kapha ], certamente encontraremos as respostas.

Definitivamente, estou na merda. Era mais simples ter feito uma novena. Tarde demais. O workshop dura 72 horas.

Parte 1: Desenho livre

Fiz um peixe, uma bola de basquete e uma mulher nua.

Agora, é hora do coffee break. Enquanto os participantes tomam um suco e conversam alegremente, os corretores de imóveis vão avaliar os desenhos. Santa superficialidade.

Curiosos para saber como são interpretados os desenhos?
_ Sim. Sou geminiana, tenho ascendente em aquário, lua em câncer e Urano na casa 1, seja lá o que isso signifique.

Parte 2: Avaliação dos desenhos.

A mulher nua representa Silvia despindo-se do passado, preparada para o início de uma nova fase. Vulnerabilidade e necessidade de transgredir.
A bola de basquete simboliza o movimento. Brutalidade e coragem. Desejo de poder. O peixe nada contra a correnteza ou se deixa levar por ela. Por outro lado, pode traduzir a sensação de um peixe fora d’água.

A coach – sempre animada – pergunta:
“O que você acha Silvia?”
Silvia – com a bola de basquete na garganta – simula estar surpresa e – sorrindo – diz:

_Faz todo sentido. Estou realmente impressionada.

Quando desenhei o peixe, lembrei do Fagner cantando Borbulhas de Amor. O taxista que me levou até o local me fez ouvir a música algumas vezes.
Lembrei da minha amiga Lizie, que usa uma camiseta que tem a cara do Fagner estampada, e a frase “I want to be a fish”, como legenda.

Cansada, fui para o meu quarto.
Tarefa: Os doshas vata, pitta e kapha. Leia a apostila e tente descobrir com qual deles você se identifica.

Cerveja no frigobar.
Me identifico.
Parte 3

Alcoolizada, na recepção: _ Um táxi, por favor. _ A senhora vai sair no meio do workshop? _ Vou, paguei adiantado. E não vou pedir devolução. Atualmente, meu hobbie é fazer papel de otária.

Fui comprar cigarros e nunca mais voltei. Antes de ser pitta, vata ou kapha, como diz um amigo meu, sou Pilz. Puta que me pariu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *