dagmar

De um lado, o filho, Pedro, que tem 13 anos, toca guitarra e pensa que é um artista. Do outro, os sacos de ração para os cachorros da casa de campo. No banco de trás, as compras para o final de semana. Os vinhos, os bries, os damascos, aquela lista previsível. No banco do carona, Jason, o enteado, 23 anos, insatisfeito.
Aflita, ela se lembra que esqueceu de pintar as raízes e pensa:
_ Bom, foda-se. Faço um coque. Sou bonita. Sou bem resolvida. Sou madura. Faço pilates. Sei lidar com meus fios brancos. Sou independente, CEO do meu próprio negócio. Tenho 70 mil seguidores no Linkedin, enfim, sou uma verdadeira influencer. Publico posts sobre a fome na Síria #comoçãocoletiva, entre outras coisas que não têm o menor impacto na minha vida.
Trepo, finjo que gozo. Sou um sucesso.
Sou tão feliz quanto a Fátima Bernardes, que se diverte e dança naquele programa tragicômico.
Louca, ela grita:
_ Jason, venha cá!
_ O que foi tia?
_ Não sou sua tia. Sou sua madrasta!
_ Jason, você já teve a oportunidade de conversar com Dagmar?
_ O caseiro?
_ Sim, ele mesmo!
_ Não, nunca conversamos.
_ Ouça sua madrasta!
Seu pai e os amigos dele…. Sempre o mesmo papo. Sempre o mesmo ritual chatinho. Fuja daqui. Liberte-se e vá se divertir com Dagmar. Ele tem excelentes baseados. Já sentei na garupa daquela bicicleta várias vezes. Ele se diz astrólogo, lê cartas de tarot, conta histórias incríveis. Dagmar tem um Iphone e é fascinado por músicas clássicas. Hoje, o que vai rolar aqui, não tem graça alguma. Velhos bêbados, #elesim #elenão. Eu tenho que ficar e fazer o papel da esposa politizada. Você não.
Converse com Dagmar e peça para ela te levar para passear. Daquela bicicleta, meu anjo, eu já vi o mundo inteiro rodar. Não tenha medo.
_ Meu pai sabe disso?
_ Do que?
_ Que você passeia de bicicleta com o caseiro e ainda fuma maconha com ele?
_ Não. Assim como eu não sei que ele já comeu a sobrinha do Dagmar. Entendeu?
_ Cada um de nós tem seu Job description bem definido.
_ Job description?
_ Depois te explico. Vaza!

4 comentários sobre “dagmar”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *