Bücherverbrennung

E então a moça senta ao meu lado e começa a dizer que já foi 37 vezes para a Alemanha e eu já paro para pensar: interessante a moça contar o número de vezes que esteve num país.
Porém, eu ando fazendo a linha da aceitação do diferente. Eu me perderia na quinta vez e jamais faria questão de contar quantas vezes estive em qualquer lugar do mundo para qualquer pessoa. Até porque, sempre que viajo, infelizmente, eu vou junto, logo, não é uma viagem, é uma troca de cenário. E eu não sou uma pessoa que contempla, portanto, viajar, pra mim, é brincar de conhecer outros habitantes desse planeta.

Minhas viagens são sem graça. Não tenho foto em nenhuma plaza brindando com amiguinhos, de capuz, com #hashtags do tipo friozinhobão.
Falar de mim não tem a menor graça.
Eu já sou obrigada a me aturar.
Eu quero falar da moça.
Sem que eu tenha perguntado nada, ela me disse que era espírita e que numa vida passada tinha sido um general alemão. Senti [ porque ela não conseguiu esconder ] que ela vivia aquela fantasia de forma intensa. Ela realmente achava que tinha sido um general. Não mencionou a guerra mas dizia que para livrar-se de seus carmas e evoluir espiritualmente, ela precisava viajar para a Alemanha, como turista, e conhecer todos os museus locais, o que eu achei um excelente carma.

Pensei II: Essa mulher cismou com os alemães e deve estar usando o Tinder por aqui. Eu sei que esse aplicativo apita quando alguém que te curtiu está próximo.

Perguntei.

_ Esse general que te pertence ou persegue esteve ‘encarnado’ em que ano?
_ Não sei. Destruiu a vida de muitos artistas. Ela citou nomes e algumas obras. Depois, me disse que o General considerava a arte demoníaca. Do nada, soltou um Bücherverbrennung.
_ Sim. Se eu acreditasse eu Deus, diria que arte foi uma das formas que ele escolheu para se expressar sem precisar mostrar as caras.

_ Você não acredita em Deus?
_ Acredito! Estava brincando com você. Inclusive, acho que ele está presente, aqui, no meio de nós, nessa porra desse trem com cheiro de gente e casacos que só são lavados de cinco em cinco anos.
[ ela riu, graças a Deus, e eu prossegui, não conseguia parar de falar ]
As religiões são divertidas. As diversas formas que o homem criou para tentar conviver com a idéia de que a vida tem um fim. O morreu – morreu é um pesadelo, não é? O espiritismo, nesse ponto, é genial. Você foi, está sendo e será.
Eu fico aflita. Quero ser logo tudo de uma vez, entende?
Chegar pro ‘chefe’ e pedir minha lista de missões. De repente, eu consigo ticar a lista de uma vez só e sair de cena, rápido. Morro de curiosidade de conhecer o Umbral.
O problema, a grande sacanagem, é nos soltarem aqui, num planeta gigante, com sei lá quantos zilhões de habitantes, no meio de uma família, no Brasil, e ainda te pedirem para salvar a Amazônia. [ rs ]
_ Qual o seu nome?
_ Helena. E o seu?
_ Só falo depois da primeira cerveja! _ Que cerveja? Quando sairmos daqui, desse vagão, podemos tomar uma cerveja juntas, não?

Aliás, você vai descer em que estação, Helena?
_ Na sua. 1933. Grande queima de livros pelos nazistas, lembra? Na hora em que você cuspiu Bücherverbrennung, eu não me toquei porque não tenho boa memória mas, de repente, tudo ficou claro e como você está abobada, é melhor a gente saltar nessa estação e rezar, perdoar todo mundo, o que está super na moda, perguntar pro general se está tudo certo ou se ele quer que a gente queime a biografia do Justus ou coisa parecida e pronto, assunto encerrado.

 

Capítulo 2

General curtia ser chamada de General. Ela gostava da sensação de ter sido alguém poderoso. As pessoas que acreditam em vidas passadas, de alguma forma, descobrem o que foram e o que precisam fazer para pagar o preço das merdas que fizeram nessa vida passada.
Normalmente compram 670 latas de leite Ninho e frequentam os centros, para que possam entender que a base de tudo é a caridade. Quanto mais leite Ninho, menos chance de você sofrer para passar para uma outra vida.
Sim, é isso mesmo.
Não tem descanso.
Subiu na esteira, dançou.
General, por exemplo, recebeu essa mensagem, de que ela tinha que visitar museus em Berlim.
Existem mais ou menos um bilhão de mulheres que foram Cleópatra e eu não sei o que as rainhas do Egito devem fazer aqui pra se tornarem melhores. Bom, todos nós podemos nos tornar pessoas melhores, independente do papel que fizemos na novela que terminou semana passada. É simples. No entanto, a mente humana fantasia para compreender e aceitar melhor sua insignificância. Eu nunca tive medo de morrer. Agora, quando penso que vou acordar _ como um bebê_ numa nova família, sinto um cansaço incrível. Novo nome, novos hábitos, e lá vou eu descobrir que eu era Silvia na minha última vida e que eu vou ter que pagar pelos erros cometidos.
Misericórdia!
Não tem saída de emergência?
_ General, estou exausta. Não sei se quero tomar cerveja. É melhor compramos leite Ninho. Eu nem sei onde foi que eu errei, mas eu errei. E errei feio. Vou passar a vida comprando leite Ninho, cesta básica, cobertor. Odeio ficar no vermelho. E é assim que estou me sentindo, entendeu? Como se eu estivesse no vermelho. E essa sensação está me angustiando.
E você, tranquila, diz que foi um general numa vida passada e que precisa visitar museus.
_ Você já foi ao Urban Nation?
_ Então, vamos até lá. Eu não conheço.
Eu sorri e passei minha mão nos cabelos dela. Um cabelo macio, fino, comprido e meio cacheado. Meu gesto foi quase involuntário. Foi uma forma de pedir desculpas pela minha lucidez.
_ Ela me olhou e disse. Eu fui um dos soldados de Hitler, Helena.
Eu _ que tinha acabado de demonstrar respeito _ tive uma crise de riso. Não me segurei.
_ Qual é o seu nome? Nesta porra desta vida.
_ Silvia
_ Bonito nome. Silvia, você não matou ninguém. Você nem sequer queimou livros em 1933. Você pirou, entendeu? Você não suportou a pressão e por algum motivo _ eu desconheço mas conheço gente que joga esse xadrez e vai te ajudar a descobrir que antes de fugir para Vinhedo e virar esteticista, você deixou alguma parte de você em Berlim, nesses museus.
_ Como é que você sabe disso tudo?
_ Eu sou médium. E você precisa fazer uma constelação.
_ O que é isso?
_ Não sei explicar mas confio na esposa do meu primo. É tipo um jogo de xadrez. Você escolhe quem vai ser sua mãe, sua filha , seu marido. Aliás, eles vão te ajudar a escolher, de acordo com o que eles perceberem em você. Eles estudam para entender o que a gente não entende, Silvia.
_ Seu primo se parece com você.
_ Um pouco.
_ Vocês são ateus.
_ Cala a boca, Silvia . Ninguém pode ser ateu. Somos todos espíritas. Acreditamos em carma e estamos nos preparando para fazer a nossa passagem. Helena é tão ansiosa que tem até milhas. Seu primo é como você. Tem crises de lucidez. Mas ele é casado com uma estrela. Fique tranquila, Silvia. Você faz parte desta constelação.

to be continued…

Como estou psicografando, é trabalho de vocês _ irmãos _ tentar ler os capítulos na ordem certa. Importante ressaltar que estamos encarnados, portanto, jamais estaremos livres dos pecados da carne que nos pegam de surpresa. O homem, para sair da esteira, na minha opinião, tem que descobrir seu real desejo.

Deus! Eu, enquanto Helena, não posso nem pensar em escrever sobre sexo. São mais 10 mil quilômetros nessa esteira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *